Ergue-se a noite – continuação de O legado da caça-vampiros

A Jardim dos Livros lança uma nova e eletrizante aventura da caça-vampiros Vitória  Gardella, agora exposta à sanha dos membros de uma organização secreta, a Tutela, e à paixão por um ousado e misterioso cavalheiro.
Um lançamento Jardim dos Livros.

Ainda em plena fase de luto fechado, Vitória Gardella volta a perambular pelas madrugadas de Londres, vestida com os trajes do marido morto, à caça de vampiros. Usa o disfarce masculino para não chamar atenção, afinal uma mulher não saía sozinha às ruas nem mesmo de dia, no século dezenove. Ela, porém, está muito adiante de seu tempo. Independente e voluntariosa, quer retomar sua missão, certa de que a rainha dos vampiros, Lilith, pode voltar a qualquer momento de seu exílio voluntário, cercada por seus seguidores.

Para enfrentá-la, Vitória deveria contar com a ajuda do jovem e experiente venador Max, que não manda notícias desde que regressou à sua Itália natal. E é para lá que Vitória viaja, agora disposta a desvendar tanto o paradeiro dele como as atividades dos membros da Tutela, uma organização secreta, recentemente descoberta, e que tem como missão alimentar vampiros, entregando-lhes seres humanos.
Este é o centro da trama de Ergue-se a noite – Crônicas vampíricas de Gardella, o segundo livro da saga das irresistíveis venadoras criadas por Colleen Gleason. A jovem americana é autora da série “Crônicas Vampíricas de Gardella”, com cinco volumes, cujos direitos já foram adquiridos pela indústria do cinema. Neste segundo romance (o primeiro foi O legado da caça-vampiro), um lançamento Jardim dos Livros, o fascínio da heroína reside não só em sua coragem, beleza e sensualidade, mas no extremo voluntarismo, que muitas vezes a conduz a situações desesperadoras.

Sem tomar cuidados básicos, imprescindíveis à sua missão, não raro ela aumenta exponencialmente o fator de risco a que se expõe. Chega a ficar sem o amuleto que tem, como piercing, no umbigo – sua vis bulla. Sem forças para reagir a ataques, pode estar próxima do fim inexorável. Coloca em grande perigo, também, sua tia-avó, Eustácia, a octogenária sábia e ainda ágil, a quem todos os venadores admiram e seguem.

Ergue-se a noite é uma obra que instiga a leitura, tantos são os acontecimentos e circunstâncias.Seus intrigantes personagens masculinos não deixam a dever à heroína, que se divide entre o arrebatador e misterioso Sebastian Vioget e o arrogante e igualmente enigmático Max. O primeiro, um ousado conquistador, que vive a cortejar Vitória, nem sempre com sutileza. O segundo, estranha e profundamente mudado, a ponto de não parecer um aliado, mas inimigo. Seria?

Repleto de sequências eletrizantes, Ergue-se a noite tem todos os elementos para fazer com que o leitor mergulhe na trama, sempre brindado com fatos surpreendentes. Suspense, erotismo, violência, em um texto que nada fica a dever aos clássicos do gênero.

Leia o primeiro capítulo:
Cap_01_ErgueseaNoite

Veja com exclusividade a capa:
Capa_Ergue-seanoite_s_sombra

  Ergue-se a noite – Jardim dos Livros (continuação de O legado da caça-vampiro)
Autor: Colleen Gleason
Tradutor: Mirian Ibañez
Formato: 15,5 x 22,5
Páginas: 376
Categoria: Romance
ISBN: 978-85-63420-11-4
Código de barras: 978-85-63420-11-4
Preço: R$ 39,90
Sinopse:A venadora Vitória Gardella arrisca seus poderes ao desvendar os mistérios da poderosa organização Tutela. Seus membros servem aos vampiros, oferecendo a eles seres humanos, para que saciem sua necessidade de sangue. Deixando Londres, ela viaja pela Itália, disposta a tudo para desbaratar os inimigos, destemida a ponto de colocar em tremendo risco a vida de sua tia-avó e mentora, Eustácia. Sem contar com a preciosa ajuda de seu experiente companheiro de outras aventuras, Max, que depois de ter voltado àquele país tem estranhas atitudes. Tudo leva a crer que ele mudou de lado!

Promoção Ergue-se a noite

Para participar:

1- Curtir a página da Geração Editorial no Facebook. (http://migre.me/5XFNl)

2- Ser seguidor da @geracaobooks no Twitter.

3) Tuitar a seguinte frase:

Promoção: O legado continua com o #livroErgue-seanoite da @geracaobooks. http://kingo.to/RvV

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Dia das Crianças com livros

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

O piloto de Hitler- A vida e a época de Hans Baur

  Título: O piloto de Hitler- A vida e a época de Hans Baur
Autor: C. G. Sweeting
Formato: 15,5×22,5
Páginas: 440
Categoria: Biografia
ISBN: 978-85-63420-04-6
Código de barras: 978-85-63420-04-6
Preço: R$39,90

Sinopse: Um livro que faltava sobre as duas guerras mundiais e o inferno do nazismo. C. G. Sweeting resgata nas páginas deste O piloto de Hitler o testemunho privilegiado de um homem fi el ao ditador alemão mesmo depois dos dez anos de sofrimento em masmorras e campos de prisioneiros da União Soviética. Hans Baur era a sombra de Hitler no ar. Amava o Führer e os aviões. Tudo sobre os horrores da guerra está aqui. Uma leitura eletrizante.

RELEASE:

O LIVRO QUE FALTAVA SOBRE O NAZISMO E AS GUERRAS MUNDIAIS

Hans Baur, que era a sombra do ditador no céu, revela detalhes dos momentos infernais que incendiaram a Europa e ameaçaram o mundo

O piloto de Hitler – A vida e a época de Hans Baur, do norte-americano C. G. Sweeting, publicado pela Geração Editorial, com tradução de Elvira Serapicos, é o livro que faltava sobre o nazismo e as guerras mundiais, principalmente a Segunda. “O século XX assistiu a uma carnificina maior do que qualquer outra na história, e a Segunda Guerra Mundial foi o maior banho de sangue de todos”, diz o autor, um especialista em história militar alemã. O piloto de Hitler é o resultado de uma extensa e rigorosa pesquisa e resgata também o testemunho de um homem que era a sombra do ditador no céu. Hitler sentia-se mais seguro voado do que em terra. De 1932 até o fim, fez apenas um voo sem o piloto particular.

“Hans Baur viveu uma vida longa e extraordinária, tão excitante quanto a imaginação de um escritor de ficção poderia conceber”, afirma Sweeting. O piloto era “uma figura paradoxal”. Ele acreditava no Nacional-Socialismo e foi fiel ao Führer mesmo depois de dez anos de sofrimento em prisões e campos de trabalho forçado na União Soviética. “Em sua vida pessoal, no entanto, era um homem corajoso, íntegro, confiável e patriótico. A lealdade de Baur a Hitler foi sua falha mais grave, mas indicava a paixão em servir seu país”, acrescenta o escritor. “Infelizmente, ele, como milhões de outros alemães, não compreendeu que a ascensão de Hitler ao poder seria desastrosa para a Alemanha e para o mundo.” Baur jurava não ter ouvido nada a respeito do genocídio.

Sweeting lembra que Baur, que chegou a general de brigada da SS, foi muito mais do que o piloto pessoal de Hitler. “Foi seu companheiro e confidente e era quase tão amigo do líder alemão quanto qualquer outra pessoa de seu círculo mais próximo.” Hitler foi padrinho do segundo casamento de Baur, que viveu 95 anos, ficou viúvo duas vezes e se casou três. Durante a Guerra era proibido ouvir rádios estrangeiras na Alemanha. Uma ironia: com as comunicações internas precárias na Berlim sob ataque, Hitler recebia no bunker notícias da londrina BBC selecionadas por Hans Baur.

O piloto de Hitler está dividido em 12 capítulos cronológicos e todos iniciados com a palavra Asas: Asas da Guerra: 1915-1921, Asas da Paz: 1922-1931, Asas do Destino: 1932-1933, Asas para o Füher: 1933-1934, Asas da Mudança: 1935-1937, Asas do Destino: 1938-1939, Asas da Vitória: 1939-1941, Asas do Desafio: 1941-1942, Asas da Derrota: 1942-1944, Asas do Desastre: 1944, Asas do Armagedom: 1945, e Asas Quebradas: 1945-1993, além do Epílogo e traz ainda fotos históricas, mapas e a planta do bunker sob a Chancelaria em que o alto-comando nazista se protegeu do bombardeio a Berlim.

C. G. Sweeting historia a ascensão de Hitler desde sua participação na Primeira Guerra Mundial como soldado mensageiro que transportava relatórios e ordens sob o fogo inimigo, seus tempos de glória e ilusões megalomaníacas, até os últimos momentos, humilhado e derrotado, e o suicídio. O temor de Hitler era ser morto e exibido por Stalin no zoo de Moscou. O ditador trocava o dia pela noite, era vegetariano (considerava sopa de carne um “chá de cadáver”) e supersticioso, tinha hábitos bizarros, sofria de várias doenças e chegou a tomar 150 comprimidos por semana.

O autor relembra o medo de Hitler de ser morto e os atentados de que escapou – pelo menos um parece ter sido uma farsa para aumentar sua popularidade. No estudo psicanalítico secreto feito em 1943 para a OSS, precursora da CIA, e publicado em 1972 com o título A mente de Adolf Hitler, Walter C. Langer e colegas consideram o ditador alemão “um psicopata neurótico beirando a esquizofrenia”.

Quando invadiu a Polônia em 1939, Hitler já se sentia dono da Europa. Ele não acreditava que a Grã-Gretanha e a França fossem à guerra por causa da Polônia. Também menosprezava os Estados Unidos (“uma nação mestiça, decadente”). Os dois capítulos finais do livro são eletrizantes: as cruéis batalhas sob o rigoroso inverno russo, a queda da Alemanha, o desespero dos derrotados sem ter para onde fugir, os horrores do massacre, da pilhagem e de estupros pelos soviéticos, as prisões e o martírio de alemães em masmorras e em trabalhos forçados na União Soviética. Baur teve parte da perna esquerda amputada em consequência de tiros que levou durante a tentativa de fuga. Foi torturado nos longos e repetitivos interrogatórios em Moscou. Morreu quase cego em Munique, em 1993, ao lado da terceira mulher, Crescentia (Centa).

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Enfim magra, e agora?

  Título: Enfim magra, e agora?
Autor: Bruna Gasgon
Formato: 13,5×20,5
Páginas: 104
Categoria: Autoajuda
ISBN: 978-85-63420-06-0
Código de barras: 978-85-63420-06-0
Preço: R$24,90

Sinopse: Enquanto as mulheres se matam nas academias e passam fome só para usar roupas tamanho 38, os homens, cada vez mais, adoram mulheres que usam os tamanhos 42 e 44. Segundo pesquisas, as mulheres fazem todos os sacrifícios do mundo para serem magras, não para agradarem os homens, mas para competirem umas com as outras. Uma mulher, quando vai a uma festa, por exemplo, não se arruma para o namorado ou marido, e sim para as outras mulheres que estarão presentes. Elas ficam magras e se arrumam inteiras para causar inveja às inimigas e para competir com as amigas, e não para agradar os homens. As mulheres ainda não se deram conta de uma coisa: as amantes são sempre mais gordas que as esposas. Este livro propõe uma refl exão realista e sem pudores sobre estar acima do peso, mas com saúde, e pretende estimular aquelas que acham que estão gordas a sentirem-se gostosas e desejadas, explorando todas as vantagens de ter muitos quilos a mais.Mostre ao seu marido uma foto da atriz Angelina Jolie de biquíni e outra da atriz Jennifer Lopez. Qual será que ele vai preferir?

RELEASE:

Enfim magra, e agora? Para você, mulher, que deseja conhecer outra visão sobre o peso

A palestrante motivacional Bruna Gascon ataca um problema de frente: as mulheres precisam mesmo ser tão magras quanto imaginam? Com bom humor e muito conhecimento de causa, já que parte de seus workshops se dirigem a grupos exclusivos de mulheres, Bruna fala das ansiedades femininas, do modelo impossível de magreza que começou a ser espalhado pela mídia e pela cabeça das mulheres a partir da década de 80, e de como o sofrimento para se adequar a ele muitas vezes não traz benefícios – nem estéticos, nem de saúde, nem de relacionamentos. Com uma pitada de ironia, Bruna convida as leitoras a observarem como os homens preferem as mulheres mais “cheinhas”, que frequentemente se tornam as amantes pouco elegantes mas muito desejadas.
Ela própria protagonista de uma longa luta pelo peso ideal, ainda que oposto ao da maioria da população – Bruna sempre sentiu que era magra demais –, a autora fala com fluência e grande pertinência sobre uma das questões que mais movimentam a moda, a estética, o comportamento e a cultura da atualidade, oferecendo reflexões para convidar a leitora a uma vida mais ajustada consigo própria e mais baseada numa saudável autoestima.

Sobre a autora

Bruna Gasgon é consultora em Comunicação e Recursos Humanos, palestrante, coach executiva e autora do livro O vendedor imbatível (São Paulo, Prestígio Editorial, 2005), já em quinta reimpressão.
Ministra palestras e treinamentos sobre motivação, comunicação, relacionamento interpessoal, trabalho em equipe, desinibição, etiqueta empresarial, vendas, liderança e atendimento ao cliente, em empresas de todo o Brasil.
É presidente de uma empresa de Consultoria, a Gasgon Comunicações Ltda, e tem entre seus clientes: Unimed, Estadão, SBT, Grupo Camargo Correa, Petrobrás, Anatel, Editora Globo, Siemens, entre outras. É atriz e diretora de teatro, vídeo e programas independentes de televisão, dos quais também é redatora e roteirista.
Todas as suas palestras têm apresentação de performances teatrais, que é o diferencial de seus trabalhos, os quais já apresentou nos programas de Hebe Camargo, Marília Gabriela, Jô Soares, Claudete Troiano, assim como nos telejornais da Rede Globo, Bandeirantes, Record e SBT.
Teve matérias publicadas nas principais revistas e jornais do país, como Veja, IstoÉ, Você SA, O Estado de S. Paulo, Gazeta Mercantil e O Globo. Tem 35 anos de profissão.
Sobre ela declara o editora Pedro Almeida:

“A palestrante mais interessante que conheço. Bruna é uma raridade num universo dominado por homens, e se destaca não por ser mulher, mas pela forma como mantém os expectadores vidrados em sua palestra.  Acompanhar seu pensamento não é tarefa dificil, apesar de falar numa velocidade imensa. É divertida e muito perspicaz.  Parte de suas qualidades como palestrante motivacional foi moldada pela experiência em teatro. Bruna é também atriz e produtora e consegue manusear tantas habilidades que cada palestra sua se tranforma num momento de profunda reflexão.”

ENTREVISTA COM A AUTORA:

O que a levou a escrever Enfim magra, e agora?
Minha própria experiência pessoal. Sempre fui magra até oito anos atrás e tinha baixa autoestima por causa disso. E no entanto só recebia elogios das mulheres, que diziam que eu tinha sorte pois podia comer de tudo e não engordava. Meus médicos se negavam a passar qualquer tipo de dieta para ganhar peso e eu morria de inveja daquelas que tinham uns quilos a mais. Até que resolvi engordar por conta própria: parei de fazer qualquer tipo de exercício aeróbico, mudei minha alimentação, que ficou muito rica em carboidratos e chocolates, comecei a fazer musculação bem “pesada”, e engordei oito quilos. Que maravilha!! Minhas amigas dizem que pareço uma baleia, mas o que importa é que estou feliz. Imaginando que devam existir mulheres como eu, resolvi colocar tudo no livro Enfim magra, e agora?

Qual a razão de as mulheres preocuparem-se tanto com seu peso?
Até os anos 60, peso não era um problema grave para as mulheres. Elas apenas se preocupavam em voltar ao seu peso natural após a gravidez. Até que infelizmente apareceu a modelo Twiggy, ditando moda com seus dezesseis quilos (risos) e todos acreditaram: estilistas, revistas de moda e, naturalmente, as mulheres. Foi uma verdadeira epidemia. Antes dela, os padrões de beleza eram Marilyn Monroe, Sofia Loren, Gina Lollobrigida, Anita Ekberg, só para citar alugumas. E todas eram bem “cheinhas”. Nos anos 80, as mulheres ainda tiveram algum “respiro” com o sucesso de Cindy Crawford e Luiza Brunet, que eram mulheres curvilíneas, de pernas gossas, e faziam enorme sucesso nas passarelas e revistas do mundo todo. Mas foi só. O que vimos depois e até hoje são meninas cada vez mais novas comendo agrião e chupando gelo para ficarem magérrimas e horrorosas. Muitas não gostam de ser magras, mas percebem que com esse padrão de corpo serão mais aceitas pela entidade “Os Outros”.

Você acredita que a questão de um corpo perfeito tornou-se central na vida das pessoas?
Sim. As mulheres principalmente vivem em função disso. E não só de corpo perfeito mas também de pele perfeita, boca perfeita, olhos perfeitos, cabelos perfeitos, botox perfeito, preenchimento perfeito etc. E que fique claro que eu sou totalmente a favor de tudo isso, mas quando necessário. Hoje tenho conhecidas e filhas de conhecidas que colocam botox e fazem lipoaspiração com vinte anos. Rídículo!!

Por que há tanta vontade de emagrecer? Qual a origem do ideal de magreza, na sua opinião?
Hoje em dia ninguém sabe lidar com as diferenças. Então todas ficam iguais. Outro dia em uma festa de meu sobrinho de 32 anos, vi que todas as moças presentes eram muito magras, todas usavam os cabelos compridos e lisos, todas estavam com o mesmo estilo de roupa: jeans de grife caríssimos, botas de montaria para fora da calça, jaquetas iguais e pachiminas com os mesmos tipos de nós. Roupa elas compram, ok. Mas a magreza é conquistada com muito sacrifício. Tanto que não as vi comer nada na festa. Depois passam escondidas em um pronto-socorro e tomam soro para compensar.

Você conhece mais gente como você, que luta para engordar?
Em toda minha vida conheci quatro mulheres como eu. As magras que desejam engordar estão totalmente abandonadas. Não existem regimes para ganhar peso, nem livros sobre o assunto, muito menos spas onde possamos nos internar e sair de lá com pelo menos dez quilos a mais. Erroneamente, o mundo acha que todas as magras por natureza são felizes. Que engano!

O que você acha que as mulheres precisam para ter mais autoestima?
A baixa autoestima das mulheres está no inconsciente coletivo há séculos. O mundo sempre foi e ainda é masculino, e os homens fizeram regras que precisam ser quebradas. Como menciono em meu livro A bela adormecida acordou, os antigos contos de fadas escritos séculos atrás, e que ainda hoje estão vivos, fizeram lavagem cerebral nas cabecinhas de meninas do mundo todo, sempre mostrando que a mulher precisa e depende do homem para se realizar, para ser feliz, enfim, para ter uma vida. Nessas histórias, elas precisam de um príncipe que venha beijá-las para que voltem à vida, calçar-lhes um sapatinho para que possam se casar, ou de algum caçador que as salve. Mesmo hoje, com todas as conquistas feitas, ainda sentem-se inferiores, inseguras, ganham menos que os homens, apanham dos parceiros caladas, e se sujeitam a sexo ruim só para não perder o relacionamento. Não há autoestima que resista. Que tristeza!

Nas suas palestras só para mulheres, a questão de emagrecer aparece muito?
Junto com o sexo, a questão do peso é a que mais aparece em minhas palestas. Todas as mulheres, mesmo as magras, acham que precisam perder dois quilos. TODAS, mesmo as magras. E dizem sempre que estão de regime. Quando eu digo que meu padrão de beleza é ser gorda ou gordinha, elas ficam mudas olhando para mim. Quando digo que sou uma ex-magra que lutou para ganhar oito quilos, quase desmaiam.
E quando concluo com: “As magras que me perdoem, mas ser gordinha é fundamental”, sempre tenho a sensação que vão me jogar tomates podres na cara (risos).

Qual você acha que é a verdadeira motivação das mulheres para emagrecerem?
As mulheres querem ficar magras em 1º lugar para causar inveja às inimigas. Em 2º lugar para competir com as amigas. Em 3º lugar para causar boa impressão nos homens. Em 4ª lugar para serem aceitas pela sociedade, e em último lugar para satisfazerem a elas mesmas. E enquanto “ralam” nas academias para ficarem magras e saradas, seus maridos têm amantes cheinhas, gordinhas, e algumas até bem acima do peso, a quem eles consideram “gostosas”. Como dizem os árabes, mulher precisa “encher uma cama”. Eu concordo.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Lançamento do livro “Eu amei Victoria Blue” em São Paulo

Ele namorava uma garota de programa (e não sabia)

Em “Eu Amei Victoria Blue”, Estêvão Romane conta como acreditou na namorada, uma prostituta de luxo, que cobrava até dois mil dólares de seus clientes

Estêvão Romane contou como foi enganado pela namorada prostituta em “Eu amei Victória Blue”. Um jovem estudante brasileiro, de 20 anos, solteiro, morando longe da família em Nova York, nos Estados Unidos, conhece a vizinha, Fernanda, linda, também brasileira e ex-modelo internacional. Que essa história terminaria em uma aventura repleta de sexo e romance, não é surpresa. A novidade para Davi, o jovem em questão, é que a mulher com quem ele viveu por oito meses não era nada daquilo que ele pensou ser.

Essa é a trama de “Eu Amei Victoria Blue” (Geração Editorial, 192 págs., R$ 29,90), livro de Estevão Romane. Davi é, na verdade, o próprio Estevão. Já Victoria Blue é o nome de guerra de Fernanda, uma prostituta de luxo que chega a cobrar até dois mil dólares por programa.

“Eu não desconfiei de nada. Ela saía de manhã dizendo que ia para o curso de arte e voltava no fim da tarde”, conta o autor, hoje um empresário do ramo de roupas. “Ela nunca fazia programas à noite”, completa.

Victoria, segundo o autor, é mentirosa compulsiva. “Em oito meses ela conta que conheceu o mundo viajando como modelo, que era abusada pelo pai. De concreto, Fernanda é uma mulher que tem ataques de pânico e faz xixi na cama.”

A verdade sobre a namorada, Davi só percebe mexendo nas coisas dela e confrontando as contradições de suas histórias.

Sem sofrimento
Transformar a traumática experiência em livro foi uma ideia que surgiu logo após a descoberta, há pouco mais de dois anos. “É uma história muito boa, que merecia ser dividida”, explica.

Além de contar a trama de um homem enganado oito meses por uma mulher, o livro traz momentos picantes da relação. Estêvão diz que até ficou com medo de se expor demais, mas logo se acalmou.

“Trata-se de contar como é a vida com uma garota de programa na visão do namorado. Se não falasse de sexo, sobre o que mais diria?”, explica.

A leitura de “Eu amei Victoria Blue” é como uma conversa de bar. O texto é simples, sem pudor e, por isso, é saboroso.

Fonte: Diário de S.Paulo – 03/09/2010

Mais informações: www.geracaoeditorial.com.br

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Livro traz 340 repostas baseadas em dúvidas femininas

Por ROSANA FERREIRA
Editora-assistente de UOL Estilo Comportamento

Há 30 anos, o consultor de relacionamento Sergio Savian busca a reflexão sobre a questão amorosa por meio de cursos, consultorias, blog, livros, CDs e DVDs. Sua última investida é o livro “Amor e Sedução para a Mulher do Século XXI – 340 respostas sem as quais nenhuma mulher consegue amar” (Jardim dos Livros, R$ 29,90).

No décimo livro de sua carreira na área comportamental, Savian fez uma seleção de perguntas vindas de clientes e jornalistas num período de dois anos. “Por isso, creio que representam muito bem o que passa pela cabeça da mulher moderna”, diz.

Entre suas conclusões nesses 30 anos de trabalho, está a de que homens e mulheres precisam olhar o sexo oposto com menos ilusão e mais senso de realidade. Confira outras ideias do consultor na entrevista abaixo.

UOL Estilo Comportamento - Por que 340 perguntas? Esse número esgota o assunto ou ficaram muitas de fora?
Sergio Savian – Estas perguntas foram feitas por clientes e jornalistas durante um período de aproximadamente dois anos. Por isso, creio que representam muito bem o que passa pela cabeça da mulher moderna. Este é o décimo livro que escrevo sobre relacionamentos. O assunto é complexo e parece nunca se esgotar, mesmo porque as questões, junto com o comportamento humano, não param de mudar todo o tempo.

UOL Estilo Comportamento – Conte sobre o processo criativo para a realização deste livro.
Savian – Há 30 anos trabalho em torno desta questão. Promovo encontros entre homens e mulheres para debater o relacionamento amoroso. Minha intenção é fazer com que as pessoas se atualizem, pondo os pés no chão. Isso significa entender a natureza da relação amorosa, olhando para o sexo oposto com menos ilusão e mais senso de realidade.

UOL Estilo Comportamento – Nesses anos de trabalho, você percebeu muitas mudanças no comportamento feminino?
Savian – Sem dúvida. As mulheres se tornaram mais independentes na sua condição financeira, no comportamento e também na sua sexualidade. Com certeza, isso torna a mulher de hoje muito mais exigente nos relacionamentos.

UOL Estilo Comportamento – A mulher não anda um pouco perdida na busca do amor? Quer sua independência, ter os mesmos direitos do homem (profissionais, sexuais), mas ao mesmo busca um homem sensível, que a proteja e tenha “pegada” ao mesmo tempo.
Savian – Exatamente. A tudo isto se soma a dificuldade de muitas mulheres olharem para os homens tal como eles são em busca de uma imagem perfeita. E, como não existe este homem ideal, elas acabam sozinhas.

UOL Estilo Comportamento - As mulheres são complicadas mesmo como os homens dizem ou é puro mito? É fácil entendê-las?
Savian - Durante um tempo eu promovi um grupo de estudos com o tema “Como lidar com o sexo oposto”, com a participação de homens e mulheres. Eu perguntava ao grupo de homens e ao de mulheres quais eram suas críticas e expectativas em relação ao sexo oposto e, depois de um tempo, eles tinham que relatar suas conclusões. A lista das mulheres sempre era muito maior que a dos homens. Para elas, os homens deveriam reunir dezenas de qualidades e elas conseguiam ver muitos defeitos. A lista que os homens apresentavam era bem mais simples.

UOL Estilo Comportamento - O homem de hoje se sente acuado frente à mulher independente, que sabe o que quer e ainda toma a iniciativa no relacionamento?
Savian - Não dá para generalizar, pois existem homens que desejam a companhia de uma mulher independente, mas muitos deles sentem-se inferiorizados diante desta nova mulher. Eles não têm iniciativa e são covardes para iniciar o contato.

UOL Estilo Comportamento – O que uma mulher precisa para conquistar um homem?
Savian - Antes de tudo, ela deve ter a convicção de que o homem tem muito a ganhar com sua presença, isso significa ter boa autoestima. A mulher também precisa entender melhor o ponto de vista masculino e não ser tão crítica em relação ao comportamento deles. Por último, ela deve ser estratégica no jogo da sedução, prometendo o que ele quer, mas colocando um conta-gotas no que oferece.

UOL Estilo Comportamento – Apesar da liberdade conquistada, a mulher de hoje ainda espera o seu príncipe encantado?
Savian – Estamos no meio do caminho. Muitos comportamentos já mudaram de fato, mas ainda sobra um ideal romântico fantasioso. Creio que é possível estabelecer um relacionamento bom, sensível, sensual, mas com os pés no chão. Mas isso é reservado somente às mulheres que têm capacidade de acertar o passo com o momento presente, inclusive com uma boa dose de autoconhecimento.

http://estilo.uol.com.br/comportamento/ultnot/2010/07/07/livro-aborda-340-respostas-baseadas-nas-duvidas-femininas.jhtm

Mais informações acesse:

http://www.geracaoeditorial.com.br

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized